Nunca Sabemos!


Como são preciosos para mim os Teus pensamentos, ó Deus! Como é grande a soma deles! Se eu os contasse, seriam mais do que os grãos de areia. Salmo 139:17, 18, NVI

Ana e eu não éramos exatamente íntimas. Ela era mais velha, de outra cultura, e muito sistemática e reservada em sua conduta. Eu a conheci principalmente nos últimos anos – os amargos anos em que ela perdeu o emprego e se afastou dos amigos. Certa vez, terrivelmente aflita, ela perguntou ao meu esposo se ele podia “mexer os pauzinhos” para ajudá-la a conseguir seu emprego de volta ou receber a aposentadoria. A instituição para a qual ela trabalhava havia perdido seus registros de trabalho, e isso estava retendo sua pensão. Ed disse que não tinha tanta influência, mas sugeriu alguém com quem ela podia conversar. Mandei-lhe um cheque com um pequeno valor e um bilhete, esperando, assim, poder ajudá-la um pouquinho. Ana nunca acusou o recebimento do cheque e nunca o descontou.

Enquanto levava aquele saldo pendente para um novo ano, tive uma ideia. Ana era uma excelente costureira. Eu a contrataria para fazer um pijama para nossa neta. “Você mesma pode fazer”, disse Ana. “Eu tenho um molde. Vamos juntas comprar o tecido.”

Na verdade, nós nos divertimos. Ela sabia, tanto quanto eu, que eu não tinha dinheiro para pagar seu serviço especializado, mas ela parecia feliz por estarmos vivendo aquela pequena aventura juntas.

– Achei que você e Ed estivessem zangados comigo – disse ela.

– A troco de quê? – A ideia me chocou.

– Porque pedi que ele me ajudasse a encontrar um emprego.

Garanti-lhe que o pedido nunca nos causara desgosto ou raiva. Então me arrisquei:

– Achei que você estivesse brava comigo por eu ter mandado um cheque, e que por causa disso você nunca o descontou.

Um sorriso lhe ondulou os lábios.

– Não descontei o cheque porque eu o emoldurei junto com o seu bilhete e o pendurei na parede! Ninguém, nunca, fez algo tão lindo por mim antes. Queria me lembrar disso todos os dias.

Abraçamo-nos e rimos tanto que nosso rosto ficou molhado de lágrimas. Nunca sabemos o que está na mente de outra pessoa nem o que Deus pode fazer com nossa vida, nossas palavras ou atos. Mas sabemos que aquilo que fazemos por amor a Ele abençoará alguém, de alguma forma.

Escrito por Lois Rittenhouse Pecce
Meditação da Mulher

3 comentários:



Meiry Mel disse...

Amiga q lindo....nossa fiquei emocionada,vc como sempre escreve coisas certas nas horas certas,eu ameiii esse post..bjos carinhosos♥

Celina disse...

É isto, Vânia, não sabemos o que acontece na mente do próximo e assim o que pode nos afastar de outra pessoa, pode ser um fantasma que na realidade não existe.
Muita harmonia e felicidade para você e os seus.
Da
Celina

Suely - HD disse...

Vânia,

Querida amiga,

Acabei de ler o comentário que deixaste na postagem (blog da Cida). Fiquei até emocionada.
Vou copiá-lo p/ sempre lembrar dessas palavras e saber que é Deus falando comigo.

Obrigada,

Amo vc!!!

Deus a ama muito.

beijo
Suely

Blogger Templates