Tudo Coopera Para o Bem


Durante uma semana me reuni com algumas amigas em oração. Orávamos pela nossa igreja, pelo novo pastor e pelo pastor que saiu, por nossa familia e pela obra de evangelização. Recebemos a benção da presença do Espírito Santo. Foi maravilhoso.



Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito. Romanos 8:28.

Aprendi bem cedo que uma das coisas mais importantes que um cristão deve fazer é freqüentar regularmente a reunião de oração. Aí jaz o poder e a fonte constante de ânimo e forças. Também aprendi que é seguro depender dessa nutrição espiritual semanal e da pura alegria de beber da rica comunhão com outros crentes.

Não querendo chegar atrasada à igreja para uma reunião de oração, atravessei a rua correndo até o ponto do ônibus. Ah, ele vem chegando! pensei. Confiante em que o motorista me veria atravessando a rua, acenei para atrair-lhe a atenção, na certeza de que ele pararia para me deixar entrar. Ele não parou. Nem sequer reduziu a marcha.

Não acreditei! Por que teria o Senhor deixado que isso me acontecesse? Ele sabia do meu propósito de ir à reunião de oração. Ele sabia que perdendo aquele ônibus eu também perderia o da conexão seguinte, o que me levaria a chegar atrasada. Ah, como me senti magoada, sentindo que o Senhor me havia abandonado! Não queria Ele que eu fosse à reunião? Aborrecida, aguardei com impaciência o ônibus seguinte, com os pensamentos descontrolados na rede da dúvida. Eu me senti como se Deus estivesse distante.

Então aconteceu uma coisa estranha. Um carro se aproximou e parou junto ao meio-fio, na minha frente. Um amigo pôs a cabeça fora da janela e perguntou se eu queria uma carona. Alegremente entrei no carro e ele me levou diretamente à porta da igreja.

Quão envergonhada me senti por ter censurado ao Senhor! Não havia Ele prometido: "Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito"? Ele pode fazer inclusive com que o fato de perder um ônibus coopere para o nosso bem.

Deus cuida de todas as pequeninas coisas que nos dizem respeito e supre nossas necessidades de formas inesperadas. Senti-me muito grata, pois Ele me havia feito economizar tempo e dinheiro, e não só cheguei à igreja em tempo, mas cedo.

Confie nEle. Ele nunca falha.

Audre B. Taylor




Esperando em Deus



Descansa no Senhor e espera nEle. Salmo 37:7.

Alguém certa vez disse que a palavra mais popular no Antigo Testamento é esperar. E ela é provavelmente a palavra menos popular no mundo de hoje. Quem deseja esperar? Queremos tudo instantaneamente!

Meu esposo detesta esperar no trânsito. Dois minutos além do que é aceitável para ele numa luz vermelha do semáforo ou numa fila de tráfego, e lá vem o mapa para encontrar uma rota alternativa. Ele odeia esperar. Devo admitir que não tenho a tendência de me aborrecer com a espera no trânsito, mas acho difícil esperar que Deus atue quando preciso de uma resposta para um problema, agora!

No entanto, a confiança em Deus, em parte, é esperar que Ele atue. Pense em alguns dos nossos amigos da Bíblia. Noé teve de esperar até que Deus estivesse pronto para abrir os céus, a fim de passar pela experiência do dilúvio. Abraão esperou até ter a idade de avô para se tornar pai. Simeão esperou sua vida toda para segurar o bebê Jesus nos braços.

Esperar é difícil, não é? A Bíblia nos diz que as pessoas sempre tiveram de esperar que Deus agisse – Ele age somente quando chega a hora certa. A Bíblia também nos diz que as pessoas que esperaram em Deus nunca foram decepcionadas, mas os que se cansaram de esperar sempre se afastaram de mãos vazias.

Há uma passagem bíblica que me ajuda quando canso de esperar que Deus atue em meu favor: "Esperei pacientemente pelo Senhor; Ele Se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro. ... Colocou-me os pés sobre uma rocha e me firmou os passos. E me pôs nos lábios um novo cântico, um hino de louvor ao nosso Deus." Sal. 40:1-3.

É muito confortador saber que, além de ouvir meu clamor, Deus Se inclina para olhar para mim. Ele me concede Sua plena atenção. Importa-Se com o que anda acontecendo na minha vida e sempre responderá ao meu clamor de maneira tal que eu deseje cantar e louvá-Lo. Certamente isso é algo pelo qual vale a pena esperar!

Confie em Deus. Seja paciente. Espere que Ele Se incline para você e coloque um novo cântico no seu coração. Pode contar com Ele, pois fará exatamente isso!

Mary Barrett

DEUS AMA A JUSTIÇA


És rei poderoso que ama a justiça; Tu firmas a eqüidade, executas o juízo e a justiça em Jacó. Sal. 99:4.

Está triste porque alguém cometeu uma injustiça contra você? Pense no conselho bíblico de hoje. Vivemos num mundo de injustiças. Volta e meia você se depara com situações que revoltam o seu espírito. Os juízes erram. Nem tanto por incapacidade, mas pela fragilidade das leis humanas. Quem tem dinheiro paga advogados espertos, que pegam uma letra da própria lei para burlar a justiça.

Essa cultura de injustiça que permeia nossa cultura nos torna, de alguma forma, também injustos. Quem não tenta obter vantagem de alguma circunstância? Quem não se vê tentando driblar, “de leve”, as normas estabelecidas para a convivência sadia da sociedade?

O poder torna as pessoas mais injustas. Alguém disse: “Se você quer conhecer de verdade uma pessoa, entregue-lhe o poder.” E é verdade. O poder confunde, ofusca a visão, distorce o caráter. Ou, talvez, cria as condições para que a verdadeira personalidade se revele.

No texto de hoje, o salmista menciona Deus como fonte de poder, justiça e eqüidade. Deus é a fonte de justiça verdadeira. É impossível exercer justiça sem o temor de Deus. Inútil querer praticar a justiça, separado de Deus.

Distante de Deus, o poder torna a pessoa injusta, abusiva e arbitrária. Qualquer poder que não provém de Deus é destrutivo e subjugador. O verdadeiro líder não é aquele que exerce poder sobre seus liderados. Mas aquele que administra o poder para fazer felizes as pessoas. Estas o seguem voluntariamente.

Foi assim que Jesus conquistou o coração da humanidade. O fato de ser Deus lhe daria direito a obrigar todo o mundo a segui-Lo, mas Ele morreu como servo. E, com a Sua morte, conquistou multidões. De um punhado de seguidores, na hora da Sua morte, nasceram os milhões que hoje O seguem espontaneamente.

Para que serve o poder nas mãos? Que tipo de líder é você? Para onde vai? O que pretende? Quais são os objetivos de sua vida?

Antes de iniciar suas atividades hoje, diga a Deus em seu coração: “És rei poderoso que ama a justiça; Tu firmas a eqüidade, executas o juízo e a justiça em Jacó.”

Pr. Alejandro Búllon

Vendo a Salvação de Deus


"Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra, porque os meus olhos já viram a tua salvação" (Lc 2.28-30).

Esse evento foi o auge da vida de Simeão: segurar em seus braços e apertar contra seu peito a Jesus, o Filho de Deus. Simeão havia acertado ao esperar de maneira constante e persistente pela consolação de Israel, mesmo tendo ficado idoso, de cabelos brancos. Ele cria nas promessas proféticas, por exemplo, no Salmo 33.4: "Porque a palavra do Senhor é reta, e todo o seu proceder é fiel". Deus jamais decepcionou alguém que confiou plenamente nEle. Mas muitas vezes a demora do cumprimento de Suas promessas serve para nos fazer amadurecer, preparando-nos para vivenciar o cumprimento dos desígnios divinos. Através de uma espera paciente Deus nos conduz a um relacionamento mais profundo e íntimo consigo mesmo. Isso é graça!

Quem vive com Deus de maneira determinada experimenta a glória e os milagres da Sua graça. Foi assim que o velho Simeão foi conduzido por Deus ao templo, movido pelo Espírito, no momento certo! Pois foi justamente nessa ocasião que os pais de Jesus trouxeram seu primogênito ao templo – 40 dias após o nascimento – cumprindo a lei da apresentação, (expiação, conforme Levítico 12). Que ventura deve ter sido para Simeão ver a Jesus e carregar em seus braços o Filho de Deus, o Messias! Essa experiência satisfez a todos os seus mais profundos anseios. E ele agradeceu a Deus em seu cântico (por favor, leia Lucas 2.25-32). Agora Simeão não precisava esperar mais nada na vida e desejava que Deus o despedisse em paz para o repouso.

Espero que o anseio de ver a Jesus, movido pelo Espírito, torne-se cada vez mais intenso em sua e em minha vida! Como seria bom se ficássemos desfalecidos de amor pelo Senhor, como a noiva do livro de Cantares, fazendo-nos desejar acima de tudo agradar-Lhe e estar bem perto dEle! "A minha alma suspira e desfalece pelos átrios do Senhor; o meu coração e a minha carne exultam pelo Deus vivo!" (Sl 84.2), diz o salmista Davi, que tinha caído em pecado mas também havia experimentado a restauração. No Salmo 85.9 ele testemunha: "Próxima está a salvação dos que o temem, para que a glória assista em nossa terra".

Certamente veremos a glória do Senhor em todo o seu esplendor quando nos encontrarmos com Ele face a face. Por enquanto, ainda temos de passar por períodos de sede, ainda temos de realizar o combate da fé. Um sedento anseia por água. Jesus nos oferece a água da vida e sacia nossos anseios.

Os pastores nos campos de Belém acreditaram na mensagem dos anjos e tiveram pressa para ver a salvação do mundo, e então anunciaram-na a todos. Era a energia da fé que os impulsionava. E assim deve ser também conosco, pois vivemos pela fé, e um dia veremos e experimentaremos a glória dAquele em quem cremos. A glória do Senhor já repousa desde agora sobre aqueles que esperam com paciência pela salvação, e seguem seu caminho com fé, movidos pelo Espírito. Quem tem a Jesus em seu coração irá vê-lO, como diz 1 João 3.2: "Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é". Então também experimentaremos o que diz a Palavra de Deus em 1 Pedro 1.8: "exultais com alegria indizível e cheia de glória".

Que o Senhor lhe conceda um Feliz Sábado!

PROCURAR E ACHAR


E buscar-me-eis, e me achareis; Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.(Jeremias 29:13; Mateus 7:7-8).

Em uma cerimônia fúnebre, o orador comentou acerca do falecido: “Ele procurou a vida inteira por algo.”

Estar a procura de algo expressa a atitude de muitas pessoas que pensam ser extremamente zelosas no tocante às questões espirituais, pois as consideram de elevada importância. O problema é que tais indivíduos estarão sempre procurando inutilmente até o fim da vida.

Se você já procurou por um objeto durante um longo tempo sem encontrar, sabe como essa é uma tarefa cansativa e frustrante. Atormentado pela incerteza e desespero, você averigua tantas possibilidades que não tem tempo para mais nada.

Sem dúvida alguma, é desejável que se preste atenção a importantes assuntos como salvação e futuro eterno. Seria trágico cair na armadilha do engano. Mas será que Deus quer que desperdicemos nossa vida em uma busca sem resultados?

Deus não brinca de esconde-esconde com ninguém. Se O buscarmos pela leitura da Bíblia e pela oração, certamente O encontraremos. “Estas palavras são verdadeiras e fiéis” (Apocalipse 21:5). Ele nos tirará do instável terreno das suposições. Ele nos ama muito para nos deixar com qualquer dúvida sobre Seu amor e nossa eterna salvação. Você pode achá-Lo na Bíblia; basta procurar.

Por Terra e Ar


Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Tiago 1:6. 

Durante os primeiros anos de nosso casamento, meu marido, filhos e eu viajávamos para visitar nossos pais, que moravam nas Carolinas. Orávamos sempre antes de sair e antes de voltar, pedindo com fé que Deus assumisse o volante e nos concedesse a Sua misericórdia na viagem. 

Enquanto viajávamos, víamos muitos acidentes, uns menores e alguns de natureza mais grave, mas Deus sempre enviava Seu anjo para cuidar de nós. Sempre saíamos de manhã bem cedo, acordando Cynthia e seu irmão Alexander, para que pudessem apreciar as coisas da natureza que Deus criara. 

Cynthia gostava de ficar acordada, observando tudo o que aparecesse à vista, enquanto seu irmão gostava de dormir enquanto viajávamos. Desde aquele tempo, tenho pensado na minha vida cristã e me perguntado com freqüência: 

"Estou eu – estamos nós – dormindo espiritualmente? 

Ou estamos despertos – trabalhando, obedecendo a Jesus, fazendo o que Ele deseja que façamos?" 

À medida que os anos passavam e as crianças cresciam, a distância e a condição física do meu esposo exigiram que recorrêssemos às viagens de avião. Orar antes da viagem e pedir que Jesus seja o piloto e co-piloto ainda fazem parte de nossos preparativos. 

Num domingo havia neve sobre o chão. Mas eu precisava viajar. Embarquei no avião 20 minutos antes da decolagem. Decidi não permitir a entrada de nenhum pensamento negativo na minha mente. Então o piloto anunciou que estávamos prontos para a decolagem, mas teríamos uma viagem turbulenta. 

Como fiquei feliz por ter orado pedindo a misericórdia de Deus! Dito e feito: após uns dez minutos de vôo, o avião pareceu cair de repente, e depois pendeu para o lado. Isso continuou por algum tempo. Assim como o piloto tinha avisado, foi uma viagem turbulenta. Tendo orado com fé em Deus, cheguei ao meu destino. Às vezes na vida temos estradas e vôos sacolejantes. Mas Deus nos ajuda no percurso, não importa quão esburacada seja a estrada ou turbulenta a viagem aérea. Jesus estará sempre conosco. 

Annie B. Best

A Obediência é um Privilégio


"Se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." II Cor. 5:17.

Pode alguém não ser capaz de dizer exatamente a ocasião ou lugar de sua conversão, nem seguir toda a cadeia de circunstâncias no seu processo; mas isto não prova que essa pessoa não seja convertida. Cristo disse a Nicodemos: "O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito." João 3:8. Como o vento, que é invisível, mas cujos efeitos se podem claramente ver e sentir, assim é o Espírito de Deus em Sua obra no coração humano. Essa virtude regeneradora que nenhum olho humano pode ver, gera na alma uma vida nova; cria um novo ser, à imagem de Deus. Conquanto a obra do Espírito seja silenciosa e imperceptível, seus efeitos são manifestos. Se o coração foi renovado pelo Espírito de Deus, a vida dará testemunho desse fato. Se bem que nada possamos fazer para mudar o coração ou pôr-nos em harmonia com Deus; se bem que não devamos absolutamente confiar em nós mesmos ou em nossas boas obras, nossa vida revelará se a graça de Deus está habitando em nós. Ver-se-á mudança no caráter, nos hábitos e atividades. Será claro e positivo o contraste entre o que foram e o que são. O caráter se revela, não por boas ou más ações ocasionais, mas pela tendência das palavras e atos costumeiros.

É verdade que pode haver um modo de proceder exteriormente correto, sem o poder regenerador de Cristo. O amor da influência e o desejo da estima alheia poderão determinar uma vida bem ordenada. O respeito próprio poderá levar-nos a evitar a aparência do mal. Um coração egoísta poderá praticar ações generosas. Por que meios, pois, poderemos determinar de que lado nos achamos?

Quem possui nosso coração? Com quem estão nossos pensamentos? Sobre quem gostamos de conversar? Quem é o objeto de nossas mais calorosas afeições e nossas melhores energias? Se somos de Cristo, nossos pensamentos com Ele estarão, e nEle se concentrarão as nossas mais doces meditações. Tudo que temos e somos a Ele será consagrado. Almejaremos trazer a Sua imagem, possuir Seu Espírito, cumprir Sua vontade e agradar-Lhe em todas as coisas.

Os que se tornaram novas criaturas em Cristo Jesus, produzirão os frutos do Espírito - "amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio". Gál. 5:22 e 23. Não se conformarão por mais tempo com as concupiscências anteriores, mas pela fé do Filho de Deus seguirão as Suas pisadas, refletir-Lhe-ão o caráter e se purificarão, assim como Ele é puro. As coisas que outrora aborreciam, agora amam; e aquilo que outrora amavam, aborrecem agora. O orgulhoso e presunçoso torna-se manso e humilde de coração. O vanglorioso e arrogante torna-se circunspecto e moderado. O bêbado torna-se sóbrio e o viciado, puro. Os vãos costumes e modas do mundo são renunciados. O cristão buscará, não o "enfeite... exterior", mas "o homem encoberto no coração, no incorruptível trajo de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus". I Ped. 3:3 e 4.

Não há evidência de genuíno arrependimento, a menos que se opere a reforma. Restituindo o penhor, devolvendo aquilo que roubara, confessando os pecados e amando a Deus e ao próximo, pode o pecador estar certo de que passou da morte para a vida.

Quando, como seres pecaminosos e sujeitos ao erro, chegamos a Cristo e nos tornamos participantes de Sua graça perdoadora, surge o amor em nosso coração. Todo peso se torna leve; pois é suave o jugo que Cristo impõe. O dever torna-se deleite, o sacrifício prazer. O caminho que dantes parecia envolto em trevas, torna-se iluminado pelos raios do Sol da Justiça.

A amabilidade do caráter de Cristo se manifestará em Seus seguidores. Era Seu deleite fazer a vontade de Deus. Amor a Deus, zelo por Sua glória, era o motivo dominante na vida de nosso Salvador. O amor embelezava e enobrecia todos os Seus atos. O amor vem de Deus. O coração não consagrado não o pode originar nem produzir. Encontra-se unicamente no coração em que reina Jesus. "Nós O amamos, porque Ele nos amou primeiro." I João 4:19, Bras. No coração renovado pela graça divina, o amor é o princípio da ação. Modifica o caráter, governa os impulsos, domina as paixões, subjuga a inimizade e enobrece as afeições. Este amor, abrigado na alma, ameniza a vida e espalha ao redor uma influência enobrecedora.

Há dois erros contra os quais os filhos de Deus - particularmente os que só há pouco vieram a confiar em Sua graça - devem, especialmente, precaver-se. O primeiro, do qual já tratamos, é o de tomar em consideração as suas próprias obras, confiando em qualquer coisa que possam fazer, a fim de pôr-se em harmonia com Deus. Aquele que procura tornar-se santo por suas próprias obras, guardando a lei, tenta o impossível. Tudo que o homem possa fazer sem Cristo, está poluído de egoísmo e pecado. É unicamente a graça de Cristo, pela fé, que nos pode tornar santos.

O erro oposto e não menos perigoso é o de que a crença em Cristo isente o homem da observância da lei de Deus; que, visto como só pela fé é que nos tornamos participantes da graça de Cristo, nossas obras nada têm que ver com nossa redenção.

Mas notai aqui que a obediência não é mera aquiescência externa, mas sim o serviço de amor. A lei de Deus é uma expressão de Sua própria natureza; é uma corporificação do grande princípio do amor, sendo, daí o fundamento de Seu governo no Céu e na Terra. Se nosso coração é renovado à semelhança de Deus, se o amor divino é implantado na alma, não será então praticado na vida a lei de Deus? Implantado no coração o princípio do amor, renovado o homem segundo a imagem dAquele que o criou, cumpre-se a promessa do novo concerto: "Porei as Minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos." Heb. 10:16. E se a lei está escrita no coração, não moldará ela a vida? A obediência - nosso serviço e aliança de amor - é o verdadeiro sinal de discipulado. Assim diz a Escritura: "Porque esta é a caridade [ou amor] de Deus: que guardemos os Seus mandamentos." I João 5:3. "Aquele que diz: Eu conheço-O e não guarda os Seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade." I João 2:4. É a fé, e ela só, que, em vez de dispensar-nos da obediência, nos torna participantes da graça de Cristo, a qual nos habilita a prestar obediência.

Não ganhamos a salvação por nossa obediência; Pois a salvação é dom gratuito de Deus, e que obtemos pela fé. Mas a obediência é fruto da fé. "Bem sabeis que Ele Se manifestou para tirar os nossos pecados; e nEle não há pecado. Qualquer que permanece nEle não peca: qualquer que peca não O viu nem O conheceu". I João 3:5 e 6. Aí é que está a verdadeira prova. Se habitamos em Cristo, se o amor de Deus habita em nós, nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossas ações estão em harmonia com a vontade de Deus tal como se expressa nos preceitos de Sua santa lei. "Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como Ele é justo." I João 3:7. A justiça está definida no padrão da santa lei de Deus, expressa nos dez preceitos dados no Sinai.

A chamada fé em Cristo que professa desobrigar os homens da obediência a Deus, não é fé, mas presunção. "Pela graça sois salvos, por meio da fé." Efés. 2:8. Mas "a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma". Tia. 2:17. Jesus disse de Si mesmo, antes de descer à Terra: "Deleito-Me em fazer a Tua vontade, ó Deus Meu; sim, a Tua lei está dentro do Meu coração." Sal. 40:8. E justamente antes de ascender para o Céu, declarou: "Tenho guardado os mandamentos de Meu Pai e permaneço no Seu amor." João 15:10. Diz a Escritura: "Nisto sabemos que O conhecemos: se guardarmos os Seus mandamentos. Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou." I João 2:3 e 6. "Pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as Suas pisadas." I Ped. 2:21.

A condição de vida eterna é hoje justamente a mesma que sempre foi - exatamente a mesma que foi no paraíso, antes da queda de nossos primeiros pais - perfeita obediência à lei de Deus, perfeita justiça. Se a vida eterna fosse concedida sob qualquer condição inferior a essa, correria perigo a felicidade do Universo todo. Estaria aberto o caminho para que o pecado, com todo o seu cortejo de infortúnios e misérias, se imortalizasse.

Era possível a Adão, antes da queda, formar um caráter justo pela obediência à lei de Deus. Mas deixou de o fazer e, devido ao seu pecado, nossa natureza se acha decaída, e não podemos tornar-nos justos. Visto como somos pecaminosos, profanos, não podemos obedecer perfeitamente a uma lei santa. Não possuímos justiça em nós mesmos com a qual pudéssemos satisfazer às exigências da lei de Deus. Mas Cristo nos proveu um meio de escape. Viveu na Terra em meio de provas e tentações como as que nos sobrevêm a nós. Viveu uma vida sem pecado. Morreu por nós, e agora Se oferece para nos tirar os pecados e dar-nos Sua justiça. Se vos entregardes a Ele e O aceitardes como vosso Salvador, sereis então, por pecaminosa que tenha sido vossa vida, considerados justos por Sua causa. O caráter de Cristo substituirá o vosso caráter, e sereis aceitos diante de Deus exatamente como se não houvésseis pecado.

E ainda mais, Cristo mudará o coração. Nele habitará, pela fé. Pela fé e contínua submissão de vossa vontade a Cristo, deveis manter essa ligação com Ele; e enquanto isso fizerdes, Ele operará em vós o querer e o efetuar, segundo a Sua vontade. Podereis então dizer: "A vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e Se entregou a Si mesmo por mim." Gál. 2:20. Disse Jesus a Seus discípulos: "Não sois vós quem falará, mas o Espírito de vosso Pai é que fala em vós." Mat. 10:20. Assim, atuando Cristo em vós, manifestareis o mesmo espírito e praticareis as mesmas obras - obras de justiça e obediência.

Nada temos, pois, em nós mesmos, de que nos possamos orgulhar. Não temos nenhum motivo para exaltação própria. Nosso único motivo de esperança está na justiça de Cristo a nós imputada, e naquela atuação do Seu Espírito em nós e através de nós.

Quando falamos em fé, devemos ter presente uma distinção. Existe uma espécie de crença que é inteiramente diversa da fé. A existência e poder de Deus, a veracidade de Sua palavra, são fatos que mesmo Satanás e seus exércitos não podem sinceramente negar. Diz a Bíblia que "também os demônios o crêem e estremecem" (Tia. 2:19); mas isto não é fé. Onde existe não só a crença na Palavra de Deus, mas também uma submissão à Sua vontade; onde o coração se Lhe acha rendido e as afeições nele concentradas, aí existe fé - a fé que opera por amor e purifica a alma. Por esta fé o coração é renovado à imagem de Deus. E o coração que em seu estado irregenerado não era sujeito à lei de Deus, agora se deleita em Seus santos preceitos, exclamando com o salmista: "Oh! quanto amo a Tua lei! É a minha meditação em todo o dia!" Sal. 119:97. E cumpre-se a justiça da lei em nós, os que não andamos "segundo a carne, mas segundo o espírito". Rom. 8:1.

Há os que já experimentaram o amor perdoador de Cristo, e que desejam realmente ser filhos de Deus, contudo reconhecem que seu caráter é imperfeito, sua vida faltosa, e chegam a ponto de duvidar se seu coração foi renovado pelo Espírito Santo. A esses eu desejaria dizer: Não recueis, em desespero. Muitas vezes, teremos de prostrar-nos e chorar aos pés de Jesus, por causa de nossas faltas e erros; mas não nos devemos desanimar. Mesmo quando somos vencidos pelo inimigo, não somos repelidos, nem abandonados ou rejeitados por Deus. Não; Cristo está à destra de Deus, fazendo intercessão por nós. Diz o amado João: "Estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo." I João 2:1. E não esqueçais as palavras de Cristo: "O mesmo Pai vos ama." João 16:27. Ele deseja atrair-vos de novo a Si, e ver refletidas em vós Sua pureza e santidade. E se tão-somente vos renderdes a Ele, Aquele que em vós começou a boa obra há de continuá-la até o dia de Jesus Cristo. Orai com mais fervor; crede mais plenamente. À medida que formos desconfiando de nosso próprio poder, confiemos mais no poder de nosso Redentor, e haveremos de louvá-Lo, a Ele que é a saúde da nossa face.

Quanto mais perto vos chegardes de Jesus, tanto mais cheio de faltas parecereis aos vossos olhos; porque vossa visão será mais clara e vossas imperfeições se verão em amplo e vivo contraste com Sua natureza perfeita. Isto é prova de que os enganos de Satanás perderam seu poder; que a influência vivificante do Espírito de Deus está a despertar-vos.

Não pode habitar um amor profundo e arraigado no coração daquele que não reconhece sua pecaminosidade. A alma transformada pela graça de Cristo admirará o Seu caráter divino; se, porém, não reconhecemos nossa própria deformidade moral, é isto uma prova inequívoca de que não obtivemos uma visão da beleza e excelência de Cristo.

Quanto menos virmos em nós mesmos digno de estima, tanto mais havemos de ver digno de estima na infinita pureza e amabilidade de nosso Salvador. A vista de nossa pecaminosidade impele-nos para Ele, que é capaz de perdoar; e quando a alma, reconhecendo o seu desamparo, anseia por Cristo, Ele Se revelará em poder. Quanto mais a sensação de nossa necessidade nos impelir para Ele e para a Palavra de Deus, tanto mais exaltada visão teremos de Seu caráter, e tanto mais plenamente refletiremos a Sua imagem.

Fonte: Livro "Caminho a Cristo"







O Arco-Íris

Bom dia queridos!!!!!! Sempre que posto uma mensagem aqui, tenha certeza de que veio ao encontro das minhas necessidades. É sempre por algo que estou passando e Deus maravilhosamente supre-as. E minha alegria é tanta que preciso compartilhar com voces. A mensagem de hoje acalmou me coração intranquilo. Esta mensagem fala da experiência que Terrie Ruff. 


Porei nas nuvens o Meu arco; será por sinal da aliança entre Mim e a terra. Gênesis 9:13. 

Alguma vez você já se sentiu abandonada por Deus? Já se perguntou, no fundo do coração, se desta vez foi Ele quem Se mudou, e não você? Já se questionou, como Jó, sobre o porquê da prosperidade dos ímpios? Alguma vez perguntou a Deus: Por que eu? 

É geralmente quando estou deitada quieta na cama, recapitulando os eventos do dia e antecipando os que virão, enquanto me preparo para o quieto repouso, que as perguntas vêm. Nos meus momentos de silêncio, quando a vida está quieta, luto com perguntas acerca do meu Deus. 

Meus dias como assistente social estão repletos de minha doação aos outros: dou de mim mesma – telefonemas, reuniões com famílias, visitas aos lares, aconselhamento. Sem esquecer a papelada. Mesmo voltando do trabalho para casa, sinto a agitação febril, a realidade de viver num congestionado isolamento, na selva de concreto do sucesso.

Ao fechar as janelas do carro para não sentir frio, o barulho tão alto e dispersivo silencia. As conversas nas ruas e nos carros ao meu lado se calam. Tudo está quieto no meu carro, e nesse momento esforço-me para ouvir a Deus. Mas não ouço nada – e preciso de algo, de Alguém. A assistente social, a doadora, é agora a necessitada. Começo a me sentir totalmente só no silêncio. 

Por que Deus fica tão quieto quando estou magoada e precisando de cura? 

Por que Ele silencia quando preciso de Sua força e poder? 

Por que tenho a impressão de que Ele não é um Deus relevante? 

Então alguma coisa me atrai o olhar, e minha atenção é chamada para o céu. Diretamente diante de mim, no meio de um dia perfeitamente ensolarado, vejo um arco-íris rodeando uma nuvem. É verdadeiramente incrível contemplar isso! Começo a sorrir, depois a rir. 

Deus não mais está silente. Não mais está imóvel. Ele é relevante. 

É Aquele que me cura, é meu poder, meu Deus atento. Revelou-Se a mim no símbolo de uma nuvem rodeada por um arco-íris, o concerto de Deus, o Seu sinal de amor, Sua promessa de ser o Deus de Terrie Ruff. Seu sinal abrange o espaço entre o Céu e a Terra. 

Agradeço a Deus pelo dom de um arco-íris naquele dia; porém, mais importante, sou grata pelo Doador do arco-íris.

Que esta mensagem alcance seu coração atribulado, assim como alcançou  meu.


Pegadas na neve


E aquele que não carrega sua cruz e não Me segue não pode ser Meu discípulo. Lucas 14:27, NVI 

Era um belo dia de inverno. Alguns amigos e eu decidimos caminhar na neve. Depois de seguir por uma estrada, fomos atravessar um campo. A neve havia formado uma crosta durante as frias noites de inverno, e começamos a pisar com força para avançar. Seguimos uns aos outros; o homem, sua esposa, e depois eu andando nas pegadas deles. 

Eu tentava acompanhar seu ritmo, mas era difícil andar em suas pegadas. Então decidi deixar sua trilha e fazer meu próprio caminho. Achei que seria mais fácil, mas não demorou para que eu percebesse que o mais fácil era seguir nos passos deles, em vez de abrir o meu caminho na neve profunda. 

O que dizer sobre seguir a Jesus? Estamos no caminho certo, seguindo Suas pegadas, ou tentamos abrir nosso próprio caminho? Nem sempre é fácil seguir a Jesus. 

Quando decidimos seguir o Senhor de todo o coração, temos que lutar contra dificuldades e tentações. Jesus sabia disso e declarou: “E aquele que não carrega sua cruz e não Me segue não pode ser Meu discípulo” (Lucas 14:27), e: “Quem não toma a sua cruz e não Me segue, não é digno de Mim” (Mateus 10:38, NVI). 

Essas são palavras duras. Que significam elas para nós? É uma decisão crucial. Quem a tomar não se lamentará, embora as pessoas e as circunstâncias possam tornar difícil segui-Lo. Mas precisamos pensar em Jesus, que é nosso exemplo e percorreu o caminho antes de nós. Ele sofreu em nosso lugar, tomando sobre Si nossos fracassos e pecados, para que pudéssemos seguir com segurança as Suas pegadas. 

A trilha que Jesus tomou não foi fácil – custou-Lhe a própria vida. Ele fez isso porque ama a você e a mim. No poema “Pegadas na Areia”, Mary Stevenson escreve: “Quando viste na areia apenas um par de pegadas, foi exatamente aí que te carreguei nos braços.” 

Não estamos sós. Temos alguém conosco, alguém que Se interessa intensamente por nós. Não importa qual seja a sua vida, Jesus conhece as dificuldades e caminha com você. Ele a carrega, quando você não consegue avançar por conta própria. 

Quando você não souber como continuar, quando sua cruz parecer pesada demais, Ele a ajudará a carregá-la. É mais fácil colocar os pés nas pegadas na neve do que fazer a própria trilha. É mais fácil andar nas pegadas de Jesus do que avançar sem Ele. 

Decida seguir a Jesus hoje. 

Não desista! 

Meditação da Mulher - 2012
Escrito por Katharina Heise

QUAL É A SUA ATITUDE EM RELAÇÃO À ETERNIDADE?

  
E, se vos digo a verdade, por que não credes? João 8:46
Um violento terremoto causou sérios danos a vários edifícios e matou muitas pessoas na Colômbia há alguns anos. Um edifício em particular, um prédio de apartamentos recém-inaugurado, sofreu um abalo tão grande que toda a fachada ruiu e seus moradores foram lançados para fora. A rua em frente ao prédio transformou-se em um amontoado de corpos e mobílias.
Um exame na estrutura do edifício revelou que o construtor havia usado ferro, e não aço como constava no contrato, para reforçar a edificação. Ele lucrava com a utilização de um material mais barato. Pensava que era mais esperto que todos. A ganância daquele homem resultou em tragédia para muitas famílias.
A atitude do construtor não nos faz lembrar da maneira como milhões de pessoas tratam as instruções das Sagradas Escrituras? Apesar das claras afirmações sobre o caminho da salvação e do juízo vindouro, elas ignoram seus ensinamentos e advertências tentando “aproveitar ao máximo esta vida”. Sacrificam o futuro, que é eterno, em função do presente, transitório e fugaz.
Não podemos decidir por nós mesmos as condições nas quais Deus terá a obrigação de nos aceitar. O que Paulo falou ao carcereiro é válido para nós também: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa” (Atos 16:31). O próprio Filho de Deus, que é justo, abriu o caminho para que o Pai nos aceite por meio de Sua morte na cruz. Receba-O pela fé!

OLHE BEM



Os teus olhos olhem direito, e as tuas pálpebras, diretamente diante de ti. Prov. 4:25.

Foi apenas um segundo de distração e meu carro saiu da estrada. O acidente poderia ter sido fatal se não fosse a mão misericordiosa de Deus. Depois que o susto passou, agradeci ao Senhor e lembrei-me de uma expressão que a minha mãe repetia quando eu era garoto: “Menino, olhe por onde anda!”

Olhar para o caminho, não se distrair, não tentar fazer duas coisas ao mesmo tempo é básico para chegar com sucesso ao fim do caminho, e esta vida é um caminho. É uma longa jornada que começa no dia em que nascemos. É uma estrada cheia de obstáculos, perigos, dificuldades e desafios.

O provérbio de hoje enfatiza o verbo olhar. Em hebraico, é o verbo nabat, que significa olhar, considerar, perceber, advertir. Embora comumente se use nabat dentro da conotação física, essa palavra é usada com freqüência num sentido figurado para expressar uma percepção espiritual. Afinal de contas, o propósito dos conselhos divinos não é apenas que não tropecemos aqui, mas que cheguemos vitoriosos ao glorioso destino.

Existem muitos motivos de distração ao longo desta vida. Vozes. Muitas vozes. Luzes. Filosofias atrativas. Estímulos fascinantes. Por isso, em Provérbios 4, Salomão aconselha que haja uma concentração completa do ser inteiro, afim de não se afastar da senda correta. Que “os teus olhos olhem direito”, adverte. Mas não apenas os olhos, os ouvidos também (v. 20) e o coração (v. 21) e as pálpebras (v. 25) e os pés (vs. 26 e 27).

Algum relacionamento seu anda mal? Alguma coisa não está funcionando como deveria na sua vida profissional, familiar ou pessoal? Então, olhe. Não com os olhos, mas com a alma. Pergunte a si mesmo, no íntimo do coração: “Estou andando no caminho certo? Ou em algum momento, em alguma circunstância, perdi o rumo?” Perder o rumo é perder o controle, e perder o controle pode ser fatal, não apenas para você, mas para tanta gente que vive ao seu redor.

Antes de sair de casa hoje, volte os olhos para os conselhos divinos. Estenda a mão em direção a Deus e deixe-se guiar. A vida é mais segura quando o guia é alguém que não pode errar. Tenha um bom dia e que “os teus olhos olhem direito, e as tuas pálpebras, diretamente diante de ti”.

Pr. Alejandro Bullón







O CAMINHO DA HUMILDADE



Guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o Seu caminho. Sal. 25:9.

Você já encontrou uma pessoa orgulhosa e justa? O orgulhoso acha que sabe tudo. Não aceita conselhos. Sua vida está tão cheia dele mesmo que não existe lugar para Deus. Como Deus pode guiar uma pessoa orgulhosa? E como essa pessoa pode ser feliz se a felicidade consiste em andar nos caminhos de Deus?

O apóstolo Pedro disse, em certa ocasião: Deus resiste aos soberbos, contudo, aos humildes concede a Sua graça. Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que Ele, em tempo oportuno, vos exalte.” I Ped. 5:5 e 6.

Como Deus exalta uma pessoa humilde? Mostrando-lhe o caminho, falando ao seu coração, conduzindo-a pelas veredas da nobreza, ensinando-lhe a reconhecer seus erros e a pedir perdão, a ser compassiva, a estender a mão para dar uma segunda oportunidade a quem errou. O resultado de tudo isso é que as pessoas passam a admirá-la, a amá-la e a segui-la. E assim Deus cumpre Sua promessa de exaltá-la.

A pessoa orgulhosa, dizia Benjamim Franklin, almoça vaidade, e janta desprezo. O orgulho a conduz, mais cedo ou mais tarde, ao terreno da vergonha e do fracasso. Vida profissional acabada, amizades rompidas. Tudo isso é o resultado de não ter se deixado guiar por Deus.

Mariano Aguilo costumava dizer: “Se o homem orgulhoso soubesse como é ridícula a imagem que projeta, até por orgulho aprenderia a ser humilde.” Mas o orgulhoso é incapaz da autocrítica.

A humildade é necessária para sermos justos, e você e eu precisamos ser justos, como esposos, como pais, como empregados ou empregadores, ou simplesmente como seres humanos. Não é possível fazer ninguém feliz, sem humildade.

Segundo o salmo de hoje, só é possível sermos justos se nos deixarmos ser conduzidos por Deus. Afinal de contas, quando Jesus esteve neste mundo disse: “Aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração.” Mat. 11:29.

Existem feridas que você abriu? Corações tristes que você magoou? Aprenda de Jesus todos os dias e lembre-se de que Ele “guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o Seu caminho”.

Pr. Alejandro Bullón

SABER DECIDIR



Ao homem que teme ao Senhor, Ele o instruirá no caminho que deve escolher. Sal 25:12.

Se você pudesse fazer um levantamento das vezes em que tomou decisões erradas, qual seria o resultado?

“Pastor”, dizem as pessoas, “eu tinha certeza de que meu casamento iria dar certo.” “Achei que este negócio era o grande negócio da minha vida.” “Nunca pensei que vir a este país seria a minha desgraça.” “Escolher esta profissão foi um erro.”

Agora, imagine como seria sua vida se Deus, que nunca erra, o tivesse instruído no caminho que você devia escolher. Você acha que as coisas seriam diferentes?

Uma das estrelas da música brasileira morreu vítima da Aids, em plena juventude. Numa das suas últimas entrevistas, disse: “Não me arrependo de nada que fiz. Se tivesse que viver outra vez, viveria tudo de novo.” Mas se tivesse feito as decisões certas, com certeza teria vivido mais.

Saber viver é saber decidir. Quando Francisco Pizarro e um grupo de espanhóis chegaram à ilha de Gallo, o líder viu que os companheiros se acovardavam diante das perspectivas do sofrimento que lhes aguardava. Então, com a ponta de sua espada, fez uma linha simbólica sobre a areia da praia e disse: “Deste lado vos espera a morte, a fome, a chuva o desamparo e a glória. Deste outro, a vida descansada em tranqüila pobreza. Cada um faça a sua escolha.” Tendo dito isto, foi o primeiro a pular a linha, e 13 dos seus companheiros pularam atrás dele. Foi assim que se iniciou a conquista do império dos incas.

Foi uma decisão na procura de riqueza e de glória terrenas, é verdade. Mas, todos os dias, a cada instante, precisamos tomar decisões para a vida ou para a morte, para a felicidade ou para a desgraça. Nessas horas, Deus está disposto a instruir você para fazer a escolha certa.

O que fazer para que a ajuda divina seja uma realidade? O texto afirma: “Ao homem que teme ao Senhor, Ele o instruirá.” “Temer ao Senhor” é tê-Lo presente, reconhecê-Lo como Criador, reconhecer-nos como criaturas, abrir os olhos e os ouvidos aos Seus conselhos através da leitura da Bíblia, e depois partir sem medo para os desafios que o aguardam ao longo da estrada.

Torne sua, hoje, a oração do salmista, e lembre-se: “Ao homem que teme ao Senhor, Ele o instruirá no caminho que deve escolher.”

Pr. Alejandro Bullón

SEJA PACIENTE E PERDOADOR



A discrição do homem o torna longânimo, e sua glória é perdoar as injúrias. Prov. 19:11.

Você briga, discute e reclama porque acha que está se defendendo. À luz do conselho de hoje, você perde cada vez que fica nervoso.

A tradução literal do texto seria: “a sabedoria do homem o torna longânimo”. A palavra hebraica é sekel, que significa sabedoria, prudência, e não especificamente discrição, embora a discrição seja parte da sabedoria. O homem sábio é paciente. Não explode diante da primeira provocação. Observa, analisa e estuda a situação.

“Isso depende da personalidade de cada um”, você pode argumentar. E é possível que o seja. Mas o propósito da sabedoria não é colocar o selo de aprovação nas atitudes humanas. É transformar o temperamento e ensiná-lo a ser feliz.

O caminho da paciência e do perdão é o único que o levará à grandeza. Mas como perdoar se alguém entrou na minha casa, estuprou e matou a minha filha? Sei que é difícil. Impossível talvez, do ponto de vista humano. Mas as coisas impossíveis para o homem são possíveis para Deus.

Ser paciente e perdoador não significa ser insensível. Claro que a dor estará presente. É inevitável. É possível que lampejos de ódio e de vingança passem rapidamente por sua mente. É natural. Você seria um robô sem sentimentos se não sentisse a raiva e a revolta tentando fazer ninho em seu coração.

O problema é permitir que esses sentimentos negativos se apoderem do seu ser, entregando-se voluntariamente à escravidão do rancor, envenenado pela amargura e ressentimento.

Sabedoria não combina com ódio, nem desejo de vingança. Por um motivo: a sabedoria tem como único objetivo levá-lo a ser feliz. E só paciência e perdão conseguem isso.

Louve a Deus pela vida, pelos momentos bons e até pelas provações e dificuldades que aparecem na vida. Faça de hoje um dia de paciência. Não exploda com facilidade. Não diga coisas das quais depois irá se arrepender. É tão fácil abrir uma ferida; difícil é vê-la cicatrizada. Vá a Jesus. Só Ele pode tirar do seu coração a dor e amargura e colocar paz e perdão sem os quais não há modo de ser feliz.

Ah, e não se esqueça: “A discrição do homem o torna longânimo, e sua glória é perdoar as injúrias.”

Pr. Alejandro Bullón

Orar de Manhã



Pela manhã ouvirás a minha voz, ó Senhor; pela manhã me apresentarei a Ti, e vigiarei. Salmos 5:3.

A primeira respiração da alma pela manhã deve ser a presença de Jesus. “Sem Mim”, diz Ele, “nada podereis fazer.” João 15:5. É de Jesus que necessitamos; Sua luz, Sua vida, Seu espírito devem ser nossos continuamente. DEle precisamos cada hora. E devemos orar de manhã, para que, assim como o Sol ilumina a Terra e enche o mundo de luz, também o Sol da Justiça brilhe nas câmaras da mente e do coração, tornando-nos luzes no Senhor.

Não podemos dispensar Sua presença um momento sequer. O inimigo sabe quando intentamos andar sem o Senhor, e ali está ele, pronto para encher-nos a mente de más sugestões para que decaiamos de nossa firmeza; mas o desejo do Senhor é que de momento a momento permaneçamos nEle, e nEle sejamos completos. ...

Deus quer que cada um de nós seja perfeito nEle, a fim de representarmos perante o mundo a perfeição de Seu caráter. Quer que estejamos isentos de pecado, para não desapontarmos o Céu, nem entristecermos o divino Redentor. Não quer Ele que professemos o cristianismo sem prevalecer-nos da graça que nos pode tornar perfeitos, e nada nos falte. — The Bible Echo, 15 de Janeiro de 1892.

A oração e a fé farão o que nenhum poder da Terra conseguirá realizar. Raramente somos colocados duas vezes nas mesmas circunstâncias sob todos os pontos de vista. Experimentamos continuamente novas cenas e novas provas, onde a experiência passada não pode ser um guia suficiente. Temos que ter a luz perene que vem de Deus. Cristo envia sempre mensagens aos que estão atentos à Sua voz. — A Ciência do Bom Viver, 509.

Faz parte do plano de Deus conceder-nos, em resposta à oração da fé, aquilo que Ele não outorgaria se o não pedíssemos assim. — O Grande Conflito entre Cristo e Satanás, 525.

VINGANÇA



Não digas: Vingar-me-ei do mal, espera pelo Senhor, e Ele te livrará. Prov. 20:22.

A vingança é uma reação natural diante das injustiças. Poderia até ser considerada justa, do ponto de vista humano. É natural pensar que quem faz algo prejudicial contra outrem deve receber o que merece. Mas o conselho bíblico de hoje é: “Não digas: Vingar-me-ei do mal.”

Dá a impressão de que Deus quer que você aceite passivamente as injustiças. Por que o justo deve suportar em silêncio o abuso do injusto? A segunda parte do provérbio de hoje traz a resposta. A vingança causa mais dano a quem pratica do que a quem a recebe.

Qualquer tipo de vingança, antes de ser uma realidade, é um coquetel de emoções negativas: ódio, raiva, rancor, ira, mágoa e desespero. Esses são sentimentos próprios do coração natural. Mas o fato de serem naturais não significa que sejam corretos. Ao contrário, é um aglomerado de veneno que destrói as coisas mais puras que o ser humano tem. É como ácido que corrói valores, princípios e principalmente a paz do coração. Por isso, a promessa é: “Ele te livrará.” A pessoa vingativa vive em escravidão.

Outro dia, recebi a carta de um homem que matou o seu ex-sócio. Este havia se apoderado da empresa que era de ambos. “Eu confiei nele”, dizia a carta, “e ele me traiu.” Durante vários meses, a vítima do engano estudou a maneira de vingar-se. Foram meses de angústia, dor, vergonha, ódio, rancor e raiva, que o levaram a encomendar o assassinato do ex-sócio.

Lamentavelmente, hoje ele passa os dias, as semanas e os meses na cela de uma prisão. “Deveria estar feliz”, acrescenta na carta, “mas não estou. Meu coração continua sendo um poço de mágoa, raiva e ódio.”

Por isso, o provérbio de hoje diz: “Espera pelo Senhor, e Ele te livrará.” Livrará do que, se a injustiça já foi cometida? Ele o livrará do ódio, do rancor e da raiva, que são os piores algozes que uma pessoa pode carregar. O pior dano que alguém pode fazer contra você não é o ato de injustiça em si, mas o veneno que deixa em seu coração e que vai destruindo sua vida lentamente.

Você pode escolher livrar-se desse veneno. Peça forças a Deus e: “Não digas: Vingar-me-ei do mal; espera pelo Senhor, e Ele te livrará.” Tenha um dia feliz, sem mágoa nem rancor.


Escrito pelo Pr. Alejandro Bullón

ACEITE O ENSINO


Aceitai o meu ensino, e não a prata, e o conhecimento, antes do que o ouro escolhido. Prov. 8:10.

Você só valoriza as coisas que lhe interessam. É uma lei da vida. Ninguém pára debaixo de uma laranjeira se não gosta de laranja. O dinheiro interessa a todos. É inquestionável o seu valor. Outro dia, alguém disse: “Você não compra felicidade com dinheiro, mas que o dinheiro ajuda, ajuda.” No entanto, o texto de hoje mostra que em lugar de procurar o que “ajuda”, é melhor procurar a própria felicidade.

Os livros de Salmos e Provérbios dão a impressão de serem repetitivos ao afirmarem que o segredo da felicidade é encontrar o caminho e andar nele. A felicidade não é uma meta, é um caminho. Você não chega, você anda. Avança enquanto é feliz. No dia em que você parar, achando que alcançou a felicidade, deixa de ser feliz.

Se a felicidade é um caminho, de certo modo é um processo. Todo processo envolve crescimento, e não existe crescimento sem aprendizagem. Por isso, Salomão afirma: “Aceitai o meu ensino.”

Para aceitar o ensino, a primeira coisa que você deve aceitar é que o mestre sabe mais do que você. É preciso humildade. O orgulho é a maior barreira no processo de aprendizagem, e o coração humano é naturalmente orgulhoso. Acha que sabe tudo e que tem condições de encontrar seu próprio caminho. Perde-se na selva emaranhada de seus próprios raciocínios. Justifica seus erros. Explica suas atitudes, mas não se entrega.

Deus poderia abandonar a criatura boiando nas águas turbulentas da suficiência própria, mas não o faz. Está sempre disposto a ensinar. Ele conhece bem o caminho. Ele nos criou. Conhece os rincões mais escuros e tenebrosos do coração e da mente. Está sempre disposto a ensinar, se a criatura deseja aprender. A jóia mais cara do mundo não tem valor nenhum nas mãos de alguém que a rejeita. As coisas só têm sentido se ocupam um lugar no seu coração e o inspiram à ação.

Aceite hoje os conselhos divinos. Coloque-os em prática. Viva-os. Experimente-os. Ouça a voz de Deus dizendo: “Aceitai o Meu ensino, e não a prata, e o conhecimento, antes do que o ouro escolhido.”

Escrito pelo Pr. Alejandro Bullón

SÁBIO DE CORAÇÃO



O sábio de coração aceita os mandamentos, mas o insensato de lábios vem a arruinar-se. Prov. 10:8.

O coração não sente. É apenas um músculo cuja principal função é bombear o sangue para levar vida ao corpo. O coração, no entanto, é usado para simbolizar o lugar mais secreto do ser. Ele não gera só a vida, pode também gerar a morte.

A pessoa sábia faz do seu coração um cofre para guardar os mandamentos de Deus. Esses não são apenas obrigação e dever. São os conselhos de amor para tornar a vida uma experiência gratificante. Os mandamentos são instruções que mostram o caminho e orientam o extraviado. São sinais de trânsito ao longo da estrada, advertindo das curvas perigosas e dos defeitos da pista.

Pessoas sábias seguem as regras porque sabem que a obediência a elas garante o êxito da jornada. A desobediência é fatal. Conduz à morte.

Na Bíblia, a desobediência é chamada de pecado. Em grego, pecado significa errar o alvo. Pessoas que se recusam a obedecer aos mandamentos podem até ser bem-intencionadas, ao procurar caminhos melhores para chegar ao porto desejado, mas estão condenadas a errar o alvo. A conseqüência é que “vem a arruinar-se”, afirma o texto. Em hebraico, o verbo “arruinar-se” provém da mesma raiz do substantivo “podre”. Uma fruta podre torna-se inútil, dispensável, e seu último lugar é a lixeira.

Ninguém, em pleno uso da razão, deseja esse final para a história que está escrevendo. Todos buscam sucesso e correm atrás do êxito, mas erram o alvo. As boas intenções não são garantia de chegar ao destino certo. Os sentimentos humanos são traiçoeiros. Ai da criatura que se deixa governar por eles.

Você tem nas mãos os mandamentos divinos. O que fará? Filosofará em torno deles? Tentará adaptá-los à cultura que o rodeia ou lhes obedecerá com humildade na sua peregrinação rumo ao alvo?

Viva este dia com sabedoria. Seja submisso ao Deus da vida. Entregue nas mãos do Senhor seus sonhos e planos, e lembre-se de que: “O sábio de coração aceita os mandamentos, mas o insensato de lábios, vem a arruinar-se.”

Escrito pelo Pr. Alejandro Bullón

O Maior Crime Já Cometido


E levaram-no ao lugar do Gólgota, que se traduz por lugar da Caveira… e o crucificaram(Marcos 15:22, 25).

Gólgota era o lugar onde a pena de morte era comumente aplicada. Os romanos o chamavam de Calvário; hoje talvez o chamássemos de Monte da Caveira. Ali, um suposto criminoso chamado Jesus foi crucificado. Quem era Ele? O Criador (Colossenses 1:16), o Filho de Deus, o qual se tornou um homem judeu.

Por volta dos 30 anos, deixou sua profissão e iniciou Seu ministério público. Foi aí que todos os problemas dEle com as autoridades religiosas começaram – Seus ensinos e declarações O colocaram em rota de colisão com eles. Eles O prenderam e, após um simulacro de julgamento, foi entregue às autoridades romanas para ser crucificado, pois os judeus não tinham autorização para fazer isso. O juiz romano não achou nEle culpa alguma, mas se rendeu à pressão e O colocou sob a tutela do grupo de execução (Mateus 27:20-26; Lucas 23:21-25).

Quem é culpado pelo maior crime já cometido? Certamente os líderes religiosos e o povo são culpados; as autoridades e os soldados romanos também, pois O crucificaram, mesmo sabendo que era inocente. Mas, acima de tudo, cada um de nós é culpado. Ele foi pregado na cruz por causa dos nossos pecados; Ele morreu pelos pecados do mundo inteiro (1 Pedro 3:18). Porém, a morte e a sepultura não O puderam reter – Ele ressuscitou!

E voltará novamente para nos buscar a fim de que passemos a eternidade com Ele. Deus tornou o maior crime já cometido no único meio para a salvação de todos os que crêem!


Chegou o Sábado!!! O dia que o Senhor Deus, Criador de todas as coisas nos deu para estarmos exclusivamente em Sua presença sem nos preocuparmos com os problemas desta vida. Que neste dia possamos refletir o que realemnte aconteceu na cruz e pro causa de Jesus temos vida e vida eterna. Quem ainda não aceitou este ato de amor do Pai e do Filho e do Espírito Santo, esta é a oportunidade que nos é dada. Pare e pense em tudo isso....FELIZ SÁBADO!!!!!!!!!

Quando se está magoado...

Aprendi uma grande lição hoje e resolvi compartilhar com os amigos:


Todas as relações sociais exigem o exercício do domínio próprio, paciência e simpatia. Diferimos tanto uns dos outros em disposições, hábitos e educação, que variam entre si nossas maneiras de ver as coisas. Julgamos diferentemente. Nossa compreensão da verdade, nossas idéias em relação à conduta de vida não são idênticas sob todos os pontos de vista. Não há duas pessoas cuja experiência seja igual em cada particular. As provas de uma não são as provas de outra. Os deveres que para uma se apresentam como leves são para outra mais difíceis e inquietantes.

Tão fraca, ignorante e sujeita ao erro é a natureza humana que todos devemos ser cautelosos na maneira de julgar o próximo. Pouco sabemos da influência de nossos atos sobre a experiência dos outros. O que fazemos ou dizemos pode parecer-nos de pouca importância, quando, se nossos olhos se abrissem, veríamos que daí resultam as mais importantes conseqüências para o bem ou para o mal.

Não podemos permitir que nosso espírito se irrite por algum mal real ou suposto que nos tenha sido feito. O inimigo que mais carecemos temer é o próprio eu. Nenhuma forma de vício tem efeito mais funesto sobre o caráter do que a paixão humana quando não está sob o domínio do Espírito Santo. Nenhuma vitória que possamos ganhar será tão preciosa como a vitória sobre nós mesmos.

Não permitamos que nossa sensibilidade seja facilmente ferida. Devemos viver, não para vigiar sobre a nossa sensibilidade ou reputação, mas para salvar pessoas. Quando estamos interessados na salvação das pessoas, deixamos de pensar nas pequenas diferenças que possam levantar-se entre uns e outros na associação mútua. De qualquer sorte que os outros pensem de nós ou conosco procedam, nunca será necessário que perturbemos nossa comunhão com Cristo, nossa companhia com o Espírito.

Se nos forem dirigidas palavras impacientes, nunca respondamos no mesmo tom. Lembremo-nos de que "a resposta branda desvia o furor". Prov. 15:1. Há um poder maravilhoso no silêncio. As palavras ditas em réplica a alguém encolerizado por vezes servem apenas para o exasperar. Mas se a cólera encontra o silêncio, e um espírito amável e paciente, em breve se esvai.

Sob uma tempestade de palavras ferinas e acusadoras, conservemos apoiado o espírito na Palavra de Deus. Que o espírito e o coração sejam repletos das promessas divinas. Se somos maltratados ou acusados injustamente, em vez de responder com cólera, lembremos a nós mesmos as preciosas promessas: "Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem." Rom. 12:21.

"Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nEle, e Ele tudo fará. E Ele fará sobressair a tua justiça como a luz; e o teu juízo, como o meio-dia." Sal. 37:5 e 6.

Em Sua misericórdia e fidelidade, Deus permite muitas vezes que falhem aqueles em quem depositamos confiança, a fim de que possamos compreender quanto é insensato confiar nos homens e apoiar-nos na carne. Confiemos inteira, humilde e desinteressadamente em Deus. Ele conhece as tristezas que nos consomem no mais profundo do ser e que não podemos exprimir. Quando tudo nos parece escuro e inexplicável, lembremo-nos das palavras de Cristo: "O que Eu faço, não o sabes tu, agora, mas tu o saberás depois." João 13:7.

Enquanto estivermos no mundo, encontraremos influências adversas. Haverá provocações para ser provada a nossa índole; e é enfrentando-as com espírito reto que as virtudes cristãs são desenvolvidas. Se Cristo habitar em nós, seremos pacientes, bondosos e indulgentes, alegres no meio das contrariedades e irritações.

Dia após dia, e ano após ano, venceremos a nós próprios e cresceremos num nobre heroísmo. Tal é a tarefa que sobre nós impende; mas não pode ser cumprida sem o auxílio de Jesus, firme decisão, um alvo bem determinado, contínua vigilância e oração incessante. Cada um tem suas lutas pessoais a travar. Nem o próprio Deus pode tornar nosso caráter nobre e nossa vida útil, se não colaborarmos com Ele. Quem renuncia à luta perde a força e a alegria da vitória.

Não precisamos guardar nosso próprio registro das provas e dificuldades, dos desgostos e tristezas. Todas essas coisas estão escritas nos livros, e o Céu tomará o cuidado delas. Enquanto relembramos as coisas desagradáveis, passam da memória muitas que são gratas à reflexão, como a misericordiosa bondade de Deus que nos rodeia a cada instante e o amor, de que os anjos se maravilham, com que deu Seu Filho para morrer por nós.

Em vez de pensarmos em nossos desânimos, pensemos na força de que podemos dispor em nome de Cristo. Que nossa imaginação se fixe nas coisas invisíveis. Que os pensamentos se dirijam para as evidências do grande amor de Deus por nós. A fé pode sofrer a prova, vencer a tentação, suportar o insucesso. Jesus vive como nosso advogado. Tudo o que nos assegura a Sua mediação nos pertence.

Deus não permite que um de Seus filhos seja abandonado, a lutar sozinho contra forças superiores, e que seja vencido. Preserva, como jóia preciosa, todo aquele cuja vida está escondida com Cristo nEle. De cada um destes diz: Eu "te farei como um anel de selar; porque te escolhi." Ageu 2:23.

Ele não nos esquece nem um só instante. Quando, apesar das circunstâncias desagradáveis, repousamos confiadamente no Seu amor e mantemos nossa comunhão com Ele, o sentimento da Sua presença inspirará uma alegria profunda e tranqüila. De Si disse Cristo: "Nada faço por Mim mesmo; mas falo como o Pai Me ensinou. E Aquele que Me enviou está comigo; o Pai não Me tem deixado só, porque Eu faço sempre o que Lhe agrada." João 8:28 e 29.


Mostremos ao mundo que não há insucesso na vida com Deus.

Texto extraído do livro A Ciência do Bom Viver

FELIZ SÁBADO!!!!!!!




O QUE É SEU VALE MAIS


Bebe a água da tua própria cisterna e das correntes do teu poço. Prov. 5:15.

Desejar o que pertence ao vizinho é próprio da natureza humana. Se algum dia você se surpreender desejando algo alheio, não se assuste. Isso é prova de que você é apenas um ser humano.

O problema começa quando você permite que esse desejo faça ninho em sua cabeça e tome conta do seu coração. Existem pessoas que podem cair até no perigoso terreno da obsessão.

A ambição é saudável, desde que seja o anelo de alcançar um alvo na vida. Uma pessoa sem ambição entra no terreno da mediocridade e mergulha de cabeça no fracasso. Empoeirada e enferrujada, envelhece sem ter chegado a lugar nenhum, após ter dado voltas e mais voltas em torno dos seus lamentos e queixumes.

Quando a ambição se transforma no desequilibrado desejo de querer tudo para si, você está diante de uma doença que traz frustração e amargura. Ninguém precisa lutar contra os outros. Não faça da vida uma competição contra rivais que só existem em sua mente. O mundo é vasto e existe um universo de oportunidades para todos. Cada um pode realizar seus sonhos, sem atrapalhar os sonhos alheios. Permita-se ser feliz com a vitória dos outros.

A cobiça é uma doença da alma. O remédio não está apenas nas mãos de um psicólogo, porque não é só uma alteração da mente. É uma ferida do espírito que precisa do médico divino.

O livro de Provérbios é uma coleção de conselhos dados por Deus para uma vida plena e saudável. O Senhor não está preocupado somente com o seu corpo, mas com todas as áreas de sua vida. E Ele sabe que, quando a criatura é dominada pelo vírus da cobiça, não pode ser feliz. A vida transforma-se na permanente dor de achar que o que os outros possuem é melhor. Deixa de observar e desfrutar as coisas belas da vida para concentrar-se em admirar as consecuções de todo mundo, menos as bênçãos que recebeu de Deus.

Jesus quer que você seja feliz. Quer curar as feridas ocultas do coração, que ninguém vê e conhece, mas que sangram, incapacitando-o de ser uma pessoa realizada e próspera. Por isso, Jesus lhe diz hoje: “Bebe a água da tua própria cisterna e das correntes do teu poço.”

Janelas para Vida - Alejandro Bullón

REVENDO OS PASSOS


Não declines nem para direita nem para a esquerda; retira o teu pé do mal. Prov. 4:27.

A palavra “mal”, no original hebraico, é beliya’al. Significa destruição. O conselho divino de hoje é: “Retira o teu pé do mal.”

Embora o ser humano de nossos dias tenha diante de si uma infinidade de caminhos, do ponto de vista bíblico só existem dois: o bem e o mal, a felicidade e a destruição, a vida e a morte. Rejeitar um implica, de maneira natural, aceitar o outro. Ninguém pode permanecer na neutralidade.

O provérbio de hoje é o clímax do capítulo quatro, que apresenta os benefícios de viver com sabedoria. A sabedoria provê vida (verso 3), proteção (verso 6), prosperidade (verso 8), vida longa (verso 10) e evita tropeços (verso 12).

Viver com sabedoria é andar no caminho que conduz à felicidade. Todos os seres humanos desejam ser felizes. Por que muitos chegam ao fim da jornada e descobrem que desperdiçaram a vida tentando ser felizes? Para ser feliz não basta desejar, é preciso achar o caminho. Este não pode ser estabelecido pela criatura, finita e limitada por sua própria humanidade. A fonte de informação precisa ser absoluta, concreta e ilimitada. Essa Fonte é Jesus.

Quando Ele esteve na terra, Tomé Lhe perguntou: “Como saber o caminho?” E Jesus respondeu: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida.” João 14:5 e 6.

Andar no caminho é andar com Jesus. Todos os dias, a toda hora, sempre. Não olhar nem para a esquerda nem para a direita significa não soltar Seu braço poderoso, não se afastar dEle, não perdê-Lo de vista e tê-Lo presente nas diferentes atividades da vida.

Viver de outro modo é caminhar rumo à autodestruição. Este é um caminho sedutor, imperceptível e dissimulado. Viver sem Cristo é entrar no mundo de sombras, confusão, tristeza e desespero.

Hoje é um dia para rever os passos. Para onde estou indo? O que motiva as minhas ações? Quais são as intenções íntimas por trás das palavras socialmente aceitáveis que meus lábios pronunciam? Preciso retirar o meu pé do mal?

Encare sem temor os desafios deste novo dia, com a certeza de que sua vida e seus projetos estão nas mãos de Deus. E lembre-se: “Não declines nem para direita nem para a esquerda; retira o teu pé do mal.”

Janelas para a Vida - Pr. Alejandro Bullón

PROMESSA DE PROSPERIDADE - Salmo 68:6


Deus faz que o solitário more em família; tira os cativos para a prosperidade; só os rebeldes habitam em terra estéril. Sal. 68:6.

salmista apresenta a rebeldia como a causa do fracasso e da improdutividade. Este salmo é o reflexo da experiência de Israel. Aquele povo conhecia a palavra de Deus e, no entanto, às vezes vivia como se Deus não existisse. Essa atitude é chamada de rebeldia. O significado do original hebraico, marah, aponta para o ato de desafiar a Deus. O profeta Isaías descreve da seguinte maneira a conseqüência triste da desobediência: “Porque Jerusalém está arruinada, e Judá, caída; porquanto a sua língua e as suas obras são contra o Senhor, para desafiarem a Sua gloriosa presença.” Isa. 3:8.

É trágica a conseqüência na vida de quem não leva em conta os conselhos divinos. Os israelitas acabaram espalhados por terras estranhas. A solidão, o cativeiro e o fracasso foram parte de sua história.

Existe esperança para aquele que perde tudo na vida por viver teimosamente? Há solução para uma vida desterrada e solitária? No verso de hoje, Davi descreve o sofrimento dos rebeldes e apresenta a promessa de restauração para aqueles que procuram o Senhor.

“Ele fará que o solitário more em família...” Essa não é uma referência para os solteiros. É uma promessa para os exilados. Eles tinham sido arrancados de suas famílias. Naqueles tempos, sem os meios de transporte e comunicação que hoje existem, a esperança de ver de novo os seres amados era mínima.

Essa promessa era um bálsamo curador na ferida daquelas pessoas, e continua sendo hoje para aqueles que, por desviar-se dos caminhos de Deus, perderam o amor e o respeito de pessoas amadas.

Volte os olhos a Deus e aos Seus ensinamentos. Aplique os princípios de vida à sua experiência. Experimente andar nos caminhos de Deus. Sonhos sem Deus geralmente acabam em pesadelos. Planos, sem Ele, conduzem a uma terra de lágrima, dor e cativeiro.

Não comece as atividades de hoje sem entregar seus caminhos e planos a Deus. E lembre-se: “Deus faz que o solitário more em família; tira os cativos para a prosperidade; só os rebeldes habitam em terra estéril.”

Pr. Alejandro Bullón

SONO SUAVE


Quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave. Prov. 3:24.

A noite envolve trevas. Inclusive, quando a lua cheia brilha esplendorosa, há penumbra por todo o lado. A noite sempre é um período de tempo que traz temor. Envolve perigos. Todas as guerras começam à noite. O inimigo sempre espera que o sol se oculte para atacar. No período da noite, o corpo tende a relaxar. Aparece o sono, e a escuridão oculta ameaças assustadoras.

Existe gente que não consegue dormir quando a noite chega. Entre os remédios mais vendidos sem receita médica estão os comprimidos para dor de cabeça e para dormir. Há pessoas que têm medo da escuridão e só dormem com a luz acesa. O medo que a noite traz não tem origem conhecida. É simplesmente um medo inconsciente, instintivo. A dificuldade para dormir é associada muitas vezes ao estresse e outros problemas psicoemocionais.

No verso de hoje, encontramos uma promessa extraordinária. “Quando te deitares, não temerás.” Se você analisar a expressão, verá que é mais do que uma simples promessa. É a descrição de uma experiência. É uma realidade concreta.

Quem usufrui essa experiência abençoada? Lembre-se de que este verso é parte do capítulo três de Provérbios. Esse capítulo começa dizendo: “Filho meu, não te esqueças dos meus ensinos.” Depois vem uma promessa: “Porque eles... te acrescentarão anos de vida e paz.” Verso 2.

A promessa divina não é simplesmente vida. É vida e paz.

De que serve uma vida atribulada, desesperada e conturbada?

A paz é primordial para dar sentido à vida. Uma pessoa em paz é muito mais produtiva durante o dia. E, quando a noite chega, ela deita e dorme um “sono suave”, sem alterações, nem tormentos nem temores. A chave é: Siga os conselhos divinos. Não tente viver só. Tenha Deus presente em todos os seus empreendimentos.

A perspectiva de um novo dia está diante de você. Está seguro de que Jesus está no comando de sua vida?

Já entregou os seus planos e projetos a Ele?

Então, enfrente sem medo as lutas e os desafios que a vida lhe apresentar, certo de que nada pode destruir quem está nas mãos de Deus.

E, à noite, “quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave”.

Pr. Alejandro Büllon

Blogger Templates